Categorias
Como Fazer Quadrinhos

10 dicas para você ajudar a desenvolver os quadrinhos nacionais

Dia 30 de janeiro é a data na qual se comemora o Dia do Quadrinho Nacional.

Foi o dia da primeira publicação de As Aventuras de Nhô Quim ou Impressões de Uma Viagem à Corte, em 1869, de autoria de Angelo Agostini, italiano radicado no Brasil, um dos pioneiros da nona arte.

Em ocasiões como esta vale celebrar, claro. Mas vale uma reflexão também para eu e você, de algum modo inseridos no universo dos quadrinhos brasileiros. Fiz então uma lista de pequenas-grandes ações que contribuem para o desenvolvimento da HQ por estas bandas. Ainda dá tempo de considerar promessas de ano novo, se quiser…

1) Apresente uma HQ que você gosta a um amigo(a) que não é fã

Existem inúmeros tipos de quadrinhos. Às vezes uma pessoa diz que não curte HQ, mas na verdade só não achou alguma que gostasse. Pense um pouco no tipo de coisa que poderia agradar seu amigo. E procure sugerir histórias que você conheça, para ter mais chance de sucesso e também poder discutir sobre elas depois da leitura… Se funcionar, peça que o(a) amigo(a) espalhe para os amigos dele(a).

2) Comente sobre um quadrinho que goste em seu blog/redes sociais

Uma versão do item 1. Além da escala ser maior (você pode falar com o mundo todo via internet), você parte do seu gosto pessoal para procurar chamar atenção de quem segue seu perfil/blog. E não é só pra falar bem não, seja crítico, mas seja justo: a qualidade dos quadrinhos depende também de boas críticas construtivas. Puxa-saquismo só não vai ajudar a evolução da nona arte. Por outro lado, reconhecer pontos positivos é importante para o artista saber que está no caminho certo.

3) Presenteie com quadrinhos

Lembra que existem diversos gêneros e milhares de quadrinhos possíveis? Uma série deles provavelmente vai interessar aquele(a) seu(sua) camarada seja no aniversário, natal, ou outra ocasião especial.

4) Compre quadrinhos

Sim, quadrinhos existem aos montes de graça na internet. Mas comprar quadrinho é um aval de que aquele trabalho pode funcionar comercialmente. de modo que seus autores poderão se dedicar mais a isso e, consequentemente, aumentar a qualidade do trabalho. Com o alcance da internet, muitas vezes você pode comprar diretamente do autor. Ou acessar diversas lojas online e pesquisar por melhores preços, como comentei neste post anteriormente.

5) Use camisetas (e outros badulaques) de quadrinhos

Ou canecas. Ou mochilas. Ou cadernos. Ou tudo junto. Seja qual for o apetrecho que você usa e que remeta a quadrinhos em geral ou a um personagem, ele será porta de entrada pra conversas sobre o assunto. Às vezes você descobre um outro fã. Outras, tem a oportunidade de compartilhar as vantagens de quem vive o mundo das HQs com quem ainda não o descobriu. E dinheiro não é desculpa: se não consegue comprar aquele apetrecho “de marca” customize o seu.

Nhô_Quim

 

6) Frequente eventos

Muitos deles são gratuitos (inclusive a entrega do Trofeu Angelo Agostini, neste sábado, 31/01). Oportunidade de conhecer seus autores preferidos de perto, de ouvir uma palestra, fazer uma oficina. Ou, se você for um autor, de ter uma troca de informações mais próxima com seus leitores, descobrir boas ideias ou técnicas aprendendo com seus alunos.

7) Crie uma fanpage do seu autor ou HQ preferida

Faça um blog ou fanpage de rede social temática homenageando aquela história ou autor que admira. Vai ajudar a divulgar e angariar outros leitores para suas obras prediletas.

8) Divulgue na mídia

Peça pra fazerem uma reportagem sobre quadrinhos naquele programa que você acompanha na TV. Ou naquele jornal, blog, site, rádio… Mande e-mails, escreva nas redes sociais do veículo de comunicação. Conte por que você acha importante que isso seja feito. Peça para amigos endossarem seu pedido.

9) Ensine alguém a fazer quadrinhos

Você não precisa ser um artista de renome dos quadrinhos para explicar a alguém o básico sobre como produzir uma HQ. Não mesmo. Nem precisa saber desenhar muito bem: o importante é ter uma boa ideia e utilizar os recursos quadrinísticos para transmiti-la. Entendeu, ou quer que eu desenhe? (tá, tá, desenho… 🙂

10) Faça quadrinhos

Qualquer um pode fazer quadrinhos: inclusive você mesmo(a). Nem precisa saber desenhar: o importante é ter uma ideia e transmiti-la com técnicas de quadrinho. Não precisa usar “o melhor material”, de computador, nada, nada. Pode ser com caneta Bic. Pode ser no guardanapo (aliás, as Tartarugas Ninja surgiram nesta , digamos, “plataforma”). Faça. Com o tempo vai melhorando. Eu mesmo, na condição de quadrinista não-praticante (ou vez-em-quando) ando fazendo meus experimentos, em especial com a série #EuVejoHQs .

E você, o que acha que poderia fazer para contribuir com o desenvolvimento dos quadrinhos nacionais?

Deixe seu comentário!

 

Leia também esta outra reflexão, sobre o futuro dos quadrinhos no Brasil e no mundo

 

5 respostas em “10 dicas para você ajudar a desenvolver os quadrinhos nacionais”

O HQ nacional deve ser apoiado sem dúvida alguma e a cada oportunidade incentivar seu autor a desenvolver mais e mais trabalhos, independente de sua temática e técnicas.

Aproveitando a oportunidade apresento um trabalho nacional… trabalho de Flávio Soares… A vida com Logan , uma HQ que começou como WEB HQ e hoje já conta com versão impressa. Conta de forma humorada o seu cotidiano fictício com seus filhos, incluindo o Logan, principal personagem que tem Síndrome de Down… vale conhecer esse trabalho de muito humor, sensibilidade e emoção…

http://www.avidacomlogan.com.br/

Oi Reinaldo. É isso aí!
Sim, a Vida com Logan é mesmo uma HQ muito bacana e com fácil acesso a todos pela internet.
Valeu a dica

Olá, cheguei aqui por acaso, eu procurava pelo Nerdson e cá estou eu. Li este post e gostei muito. Também me considero um quadrinista não praticante, rs. Gostei das dicas que deu e pretendo colocar em prática. Acho que devemos mesmo falar mais de quadrinhos. Eu particularmente gosto dos que tem mensagens que levam à reflexão sobre algum tema. Ou, simplesmente tirinhas de humor mesmo.

Valeu mesmo. Bom trabalho o seu. Acho que consegui aqui um pouco mais de incentivo.

Oi Marcos. Obrigadão mesmo pela sua mensagem.
Pois é, devemos falar mais e fazer mais quadrinhos. Pois não dá pra desenvolver qualquer forma de expressão artística sem que haja produção e críticas construtivas.
Abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *